01 fevereiro 2008

Os rafeiros tem espaço no Agility ??

Na última prova do campeonato nacional de Agility, tivemos o prazer de contar com 4 cães SRD´s, cães sem raça definida, mais conhecidos por “ rafeiros “.
Eram eles: Tupac do João Freitas, a Nina da Isabel Guedes, Pilim do Paulo Pereira e o Nero do Sérgio Sousa.


Hoje em dia, os SRD´s ocupam uma grande parte dos nossos lares ...... será que têm espaço no Agility?

O Just Agility fez 2 perguntas a 3 donos de SRD´s
i) Qual a grande diferença entre um cão com raça definida e um SRD?
ii) O que pensas da proibição de os cães SRD´s não puderem participar no Mundial de Agility-FCI?


Respostas de Paulo Pereira
i) Para mim a única grande diferença é pura e simplesmente o CPC não o reconhecer, o que faz com que não possa participar por exemplo em campeonatos de Agility a nível mundial. A nível de concursos de Beleza posso até admitir que, apesar de ser muito subjectiva a avaliação de “beleza”, existem escalões definidos por raça, o que será quase impossível definir para os sem raça definida, exactamente porque são eles próprios a junção de várias raças.
Mas podem ser tão bonitos ou tão feios como os cães com raça definida, ser tão inteligentes ou tão teimosos como os com raça definida, e de certeza que são tão fieis, carinhosos e amigos dos seus donos como todos os cães.

ii) Creio que não faz sentido nenhum, os cães sem raça definida não poderem participar no Campeonato Mundial. Se participam durante um ano inteiro no seu país e obtêm bons resultados porque não podem participar se fossem seleccionados? Qual o principal motivo para tal acontecer? Só leva a que os concorrentes que participam, a sério, com os seus de raça indefinida e que até obtêm bons resultados possam sentir-se desmotivados. E ao que leva a desmotivação???


Respostas de
Sérgio Sousa
i) Nenhuma.

ii) Eu pessoalmente percebo a intenção da FCI quando não deixa entrar cães SRD no seu mundial. Já agora aqui têm os objectivos da FCI :
" 1- To encourage and promote the breeding and use of purebred dogs whose functional health and physical features meet the standard set for each respective breed and which are able to work and to carry out different functions in accordance with the specific characteristics of their breed;
2- To protect the use, the keeping and the breeding of purebred dogs in the countries where the FCI has a member or a contract partner ; to support the non-profit exchange of dogs and of cynological information between the members and to initiate the organization of shows, tests, trials and other activities like sport events, the use of dogs in rescue operations, etc.
3- To promote and support dogdom and dog welfare worldwide."
Se os SRD's pudessem entrar, seriam feitas cruzas e misturas ao ponto de encontrar o cão perfeito para o agility e assim era um descalabro de cães abandonados e uma perca de controlo...
Por outro lado existem outras competições internacionais tão interessantes como o mundial da FCI


Respostas de João Freitas
i) Ponto prévio: não percebo nada de cães!
Posto isto, penso que a grande diferença será a possibilidade que os chamados cães de raça nos dão de sabermos, antecipadamente, e com relativo grau de certeza, informações acerca do seu desenvolvimento físico e psíquico, carácter, temperamento, aptidões, ao contrário dos grandes SRD’s que são a maior parte das vezes uma incógnita.
De resto não vejo grandes diferenças, até porque grande parte das vezes podemos incluir os SRD’s num “tipo de raça”, o rafeiro arraçado de …, ou seja possuem algumas características das raças reconhecidas!
Mesmo ao nível do agility penso que não teremos que fazer distinções entre cães de raça ou rafeiros, mas sim entre cães com aptidões de trabalho e cães com menos aptidão.
Ao fim ao cabo com ou sem raça são sempre cães!

ii) Penso que a versão oficial para tal facto é tentar impedir a proliferação dos SRD’s e a defesa das raças reconhecidas, contudo, na minha modesta opinião não faz qualquer sentido, não me parece que alguém com aspirações a ser campeão do mundo comece percorrer todos os canis municipais ou a “criar” novos SRD’s em busca do cão de agility perfeito. Portanto, se alguém porventura tem um SRD com qualidade suficiente para estar presente num campeonato do mundo acho que faria todo o sentido que pudesse participar.
Não é por esta proibição que os SRD’s vão desaparecer, nem tão pouco os criadores deixar de vender! SRD’s ROCKZ!!!


Tudo tem prós e contras. Proteger as raças, evitar o descontrolo do Agility é uma medida positiva. Por outro lado o Agility é para todos e para todas as raças, não deve haver proibição porque o cão não tem raça !!
Não vai ser um FCI ou um CPC qualquer que vai tirar o prazer de fazer Agility a estas pessoas só por terem um SRD´s.

As pessoas têm trabalhado nesse sentido, e um exemplo disso é o facto de em Portugal os rafeiros puderem participar em todas as provas de Agility, contudo não se passa o mesmo em alguns países, onde não podem participar nas provas que contam para o campeonato.

Internacionalmente, existem 2 grandes provas: O European Open e o International Mix&Breed Championship Agility (IMCA), onde o Nero tem sido o nossa grande bandeira e tem demonstrado o melhor do Agility Nacional, sendo actualmente o único e primeiro cão SRD a representar o nosso pais em provas de Agility.

Estes dois eventos vem demonstrar que o Agility é muito maior que qualquer proibição ...

Bem vindos “ Rafeiros “

4 Comentários:

Zé disse...

Meu Caro amigo. Tu és um bocadinho inculto em relação ao agility português. O pintas foi o primeiro rafeiro a representar portugal internacionalmente (não é do teu tempo). O Nero foi mas é o primeiro rafeiro a representar o CPC e em provas ligadas à FCI. Não é Sérgio?
Bem vindos? Pera ai! Antes de tu chegares eles já cá andavam? Agora baralhaste-me!

Hugo disse...

Zé , desculpa la por tentar fazer alguma pelo Agility em Portugal , em vez de passar o tempo a criticar uns e outros . Cada um faz o que pode e outros ficam a olhar e a criticar.

Hugo Santos disse...

Caro Zé ...
Parabéns , acabaste de ganhar uma medalha de Agiliteiro do Ano.
Ja cá faltava a 1ª critica destrutiva, porque construir e informar as pessoas , basicamente melhorar o Agility em Portugal isso é mais difícil . Dizer mal é bem mais fácil não é !!

Se calhar antes de publicar alguma coisa é melhor falar contigo, que achas ?? ou então fazes como fizeste , criticas , mandas bocas .

Sim, sou novato no Agility, sim não sei tudo, mas tomara muita gente sentir o Agility da forma que eu sinto ... e se isso é ser inculto !!!!

Caro Zé ... incultos são aqueles que viram a cara, incultos são os que não batem palmas, incultos são os que criticam tudo o que não é feito por eles .

Filipe Vilhena disse...

Oh Zé comigo é que deves falar... ou será que o Pintas tb não é do meu tempo?????!!!
Mas para ti representar Portugal é simplesmente ir a uma prova a Espanha?? Ou és burro ou satisfazes-te com pouco...

Mas tb te vou dizer nem assim o Pintas foi o 1º SRD a representar Portugal pois antes dele tivemos o Dinkie conduzido pela Teresa Silva da ATAAC!!!!
REPRESENTAR PORTUGAL É PARTICIPAR EM COMPETIÇOES INTERNACIONAIS (MUNDIAIS E EUROPEUS) DE CARIZ OFICIAL.
E estás enganado quando dizes que o Nero foi o 1º SRD a representar o CPC, pois o CPC não envia nenhuma representação ao Europeu ao contrário do que acontece no Mundial, onde pagam as inscrições e dão uma ajuda monetária (ainda que pequeníssima!!!)
O Nero foi o 1º SRD a representar Portugal, isso sim!!!
Oh zé qd precisares de uma aulinhas de agility Português é só perguntares!!! E já agora mete-te com alguém que ao menos tenha tantos anos de agility Português como tu!!! Embora suspeite que já nem andes por este mundo agiteiro, apareceste só aqui no blog para meter nojo!!!! Palhacito... e destomatado pq não assumes a tua identidade...

Enviar um comentário

Deixa aqui o teu comentário
Não o faças como anónimo
Obrigado

  ©Template Blogger Elegance by Dicas Blogger.

TOPO